5 de out de 2010

Príncipe da Pérsia - As Areias do Tempo

Elenco: Gemma Arterton, Jake Gyllenhaal, Ben Kingsley, Alfred Molina, Dave Pope, Thomas DuPont, Steve Toussaint, Toby Kebbell. Direção: Mike Newell. Gênero: Aventura. Duração: 116 min. Distribuidora: Disney Pictures.
Sinopse: O filme conta a história de Dastan (Gyllenhaal), um ágil órfão pobre do antigo reino persa. Num dia como tantos outros, Dastan enfrenta um bruto soldado do império para defender um menino e capta a atenção do Rei. Impressionado pela bravura e espírito combativo do jovem rapaz, o Rei decide adotá-lo como seu próprio filho e é assim que um simples órfão se transforma num Príncipe da Pérsia. Muitos anos mais tarde, Dastan acompanha os seus dois irmãos numa demanda para conquistar o misterioso reino de Alamut, motivados por uma possível traição dessa cidade. E nesta invasão, Dastan acaba tomando posse de um valioso artefato, uma adaga com o poder de fazer voltar o tempo. Que usa como "combustível" uma areia especial, as areias do tempo do título. Após uma feroz batalha, a Princesa Tamina (Arterton), fiel e destemida guardiã da Adaga e soberana de Alamut é capturada. Após um inesperado conjunto de acontecimentos, Dastan vê-se subitamente acusado de alta traição pela morte do Rei e, conjuntamente com Tamina, emprega numa mística viagem que terá como objectivo proteger a Adaga Sagrada e salvar a honra do seu próprio nome no seio do grandioso império.
Eu nunca nem vi alguém jogando esse jogo, então assisti ao filme só pela diversão mesmo e sem muitas expectativas.
Mas que grata surpresa! O filme é muito bom.
O visual do filme é lindo, com muitos detalhes.
O personagem principal, Dastan, é vivido por Jake Gyllenhaal, que está lindíssímo, sarado. Esse ator ficou marcado para mim como o Jimmy Bolha e o cowboy de Brokeback Mountain. Ele tem um olhar muito doce que às vezes não combina com o guerreiro do filme, mas por mim, tuuudo bem...


A princesa Tamina a princípio me irritou, mas depois entendi o que me irritava nela: ela é uma pentelha falastrona quando quer alguma coisa, igualzinha a mim... hehehe. Mas a personagem é corajosa e muito bonita. Faz tudo  mesmo para cumprir a sua missão.
O personagem secundário que eu mais gostei foi o de Alfred Molina, Sheik Amar, "um empresário levemente desonrado". Todo filme de ação tem um cara como ele, que faz as melhores piadas. Esse é muito bom, pois tem verdadeiro pavor de governos com seus impostos. Um dos melhores diálogos do filme é entre Dastan e ele:
Dastan: Eu ouvi histórias horríveis sobre este lugar.
Sheik Amar: Sobre escravos sanguinários que matam seus senhores? Haha, essa história é ótima. Se for bem contada é envolvente. Mas é tudo invenção!
D: E os esqueletos que eu tinha visto? Aquilo é...
SA: Ahhh, eu comprei de um cigano em Bukaro. Nããão, eu promovi a nossa reputação tão assustadora para afastar o mal mais traiçoeiro que já tentou se aproximar do nosso território abandonado. Sabe do que eu estou falando? Impostos!


Uma coisa me chamou muita atenção nesse filme: a habilidade de Dastan de saltar, cair, escalar, subir e correr em obstáculos, que na verdade se tornam apoios para as manobras. Nos extras do filme pude ver que o ator fez realmente aquelas coisas, com aquele cabo de segurança, claro, mas fez mesmo.
Esse é o parkour, uma disciplina física de origem francesa, em que o participante sobrepõe obstáculos de modo mais rápido e direto possível, utilizando-se de diversas técnicas como saltos, rolamentos e escaladas. As cenas de ação são muito legais por causa disso. 
A história é bem contada.
É uma pena que eu tenha visto o filme em DVD, não no cinema.
No cinema deve ser muito melhor ainda.
Recomendo!

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...