21 de mai de 2011

Velozes e Furiosos

Ontem finalmente fui ao cinema! Que saudade! Mas fui assim, apertada, tinha que assistir ao filme que estivesse começando naquele horário ou nenhum. Batata! Velozes e Furiosos 5. Eu gosto, tá.
Tudo começou com Velozes e Furiosos (o número 1, claro, hehhe), que é um filme muito bom.
Cinéfilos, não precisam pensar mal de mim. Quando digo filme bom, é bom no seu estilo, na sua proposta. E V&F é óóótemo no que se propõe.


Pensem naqueles carros lindos, velozes, barulhentos, cheios das tecnologias e daquelas luzes.
E todos aqueles homen fortes e bravos...
O mocinho: Brian O'Conner (Paul Walker, leeeenndo), policial federal infiltrado nas corridas de rua.
O suposto vilão mais fofo que ursinho carinhoso: Dominic Toretto (Vin Diesel, mui charmoso e másculo), ex-presidiário dono de uma oficina de carros tunados, devoto da família (que na verdade é uma quadrilha), corredor de corridas ilegais.
E aquela confusão, os caras, mulheres gostosésimas, as corridas, as brigas e fugas, tudo em Los Angeles.
Dom tem uma namorada, Letty (Michelle Rodriguez), que é uma mandona.
Tem uma cena em que ela diz "vamos subir", ele responde "não, vou ficar aqui com a galera", ela diz "vamos subir agora, que eu quero uma massagem", beeem mandona e poderosa e dominadora. Ele obedece e vai no ato, que ele não é besta nem nada.
E tem a irmã do Dom, Mia, que agarra o coração do mocinho.
E aí que essa história de mocinho e bandido é furada, pois Dom é suspeito de roubo de cargas e esteve preso por espancar quase até a morte um cara. No entanto ele é muito fofo, faz oração antes das refeições, é totalmente fiel e leal à sua namorada, à família e aos amigos, tem princípois, um certo senso de justiça e bondade e tudo.
Brian, que deveria ser o mocinho, admira e se envolve com Dom, namora Mia e não consegue prender os bandidos. E passa para o lado negro da força.
O problema é que a gente torce para o lado negro da força. Paciência.


Nesse V&F 5 há muitas referências ao primeiro, mas agora todo mundo é marginal fugitivo da justiça mesmo.
Um aviso: se você espera alguma verossimilhança, não assista a esse filme. Isso não tem mesmo.
Ele sa passa no Rio de Janeiro, onde o pessoal vem se amalocar dos agentes federais dos Steites. Só que aqui, mano, o buraco é mais embaixo. E mais atrás... Eles arrumam treta logo com o cara mais poderoso do Rio.
Aí tem favela, favela, mas também cenas lindas do Rio, que eu nunca vi em novela nenhuma. Dá até pra ver os detalhes da calçada!! E depois não sobra quase nada do Rio de Janeiro ( Ô, cidade linda, Meu Deus).
Tem coisas que eu gosto nesse filme, como a montagem da equipe (adoro montagens de equipe como em: A Origem, Uma Saída de Mestre etc.)
O esquema do roubo do cofre (que copia descaradamente Uma Saída de Mestre) e outras coisas.
Claro que tinha que mostrar a polícia do Rio titalmente corrupta, mas como a gente vai reclamar disso?? Capitão Nascimento neles (quem nunca sonhou em levar uma prensa do Cap. Nascimento?? Ui).
Mas tem horas que eles exageram e o filme fica ruinzinho. O personage do The Rock é totalmente desnecessário e compromete.
No geral, dá pra ver.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...