23 de out de 2010

Ivan Martins

As mulheres mais interessantes que eu conheço são originais. Elas não cabem nos dois modelos de sedutora dos filmes, que admite apenas as variedades “misteriosa” e “meiga”. Elas são muito diferentes disso. Algumas são tímidas e nos atraem por causa disso. Outras falam demais e nos provocam ternura. Há as brilhantes e as bravas, cuja aprovação nos parece um prêmio. E as safadas, que, ao nos escolher entre tantas experiências e possibilidades, nos fazem sentir realmente especiais.
Nenhuma dessas mulheres é perfeita. Nenhuma delas saiu de um filme de suspense ou de uma comédia romântica com as falas prontas. Elas são de verdade e por isso erram, gaguejam, bebem demais e às vezes perdem as estribeiras, o que as torna humanas e amáveis, no sentido de poderem ser amadas.
Da minha parte, tenho preferência por seres humanos meio perdidos, que parecem perguntar todos os dias o que os trouxe ao mundo e para quê. As pessoas que nasceram com GPS e sabem a cada momento para onde estão indo não me provocam empatia. Tendo a me apaixonar pelas fragilidades dos outros, assim como outros homens que eu conheço se apaixonam pela força e pela virtude das mulheres. Somos diversos, não somos?

É por causa de textos assim que eu sou leitora assídua desse homem.
Ele prova que homem pode pensar sobre a gente sim, mostrar suas fraquezas, analisar as suas atitudes a as da gente, falar sobre intimidade.
Todo homem deveria pelo menos tentar um pouquinho ser como Ivan Martins.
Aqui: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI62489-15230,00-NOSSA+INTIMIDADE+IVAN+MARTINS.html

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...